Transparent-Amazon-poster-crop-700x414

“Transparent” é uma série norte-americana de 2014, produzida pela Amazon Studios e criada por Jill Soloway. É estrelada por Jeffrey Tambor e atualmente está a caminho da sua terceira temporada.

A história gira em torno de uma família de Los Angeles e suas vidas após a descoberta de que a pessoa que eles conheciam como seu pai Mort (Jeffrey Tambor) é na verdade um transgênero, Maura.

Interessante notar que o título da série faz um trocadilho com o tema abordado: “Trans” aparece, obviamente, como uma abreviação para a palavra transgênero e parent, que em inglês significa “pais” (de pai e mãe, mesmo). Um trocadilho esperto com a junção desses termos isolados que, ao se unirem (Transparent), faz referência à vida transparente que de repente é abraçada por um pai de família que resolve se assumir trans.

Inclusive, um dos pontos mais interessante na série é a descoberta do gênero de Maura. A princípio eu achava que ela era apenas um cross-dresser. Porém, no decorrer dos episódios, vamos nos deparando com situações em que ela (Maura) deixa subentendido que ela não é apenas uma cross-dresser, mas sim um transgêneros.

Cross-dresser é um homem heterossexual que apesar de vivenciar um papel diferente, tendo prazer ao se vestir como mulher, não busca reconhecimento e tratamento de gênero (não são transgêneros). Os cross-dressers sentem-se como pertencentes ao gênero que lhes foi atribuído no nascimento.


Conheça os personagens: (CONTÉM SPOILERS)

1125762.jpg

Shelly, Josh, Maura, Ali e Sarah

Maura Pfefferman (nascido Morton Pfefferman) é um professor universitário aposentado de ciência política que finalmente se abre para a sua família sobre a sempre identificar como uma mulher. (Jeffrey Tambor)

Sarah Pfefferman, é a filha mais velha. Ela é casada e tem dois filhos. Ela deixa seu marido por Tammy, uma mulher por quem ela se apaixonou na faculdade. Ela é, inicialmente, o membro da família que mais aceita a transição de seu pai. (Amy Landecker)

Joshua “Josh” Pfefferman, é o filho do meio. Um produtor musical bem sucedido que tem relacionamentos problemáticos com as mulheres. Ele é o que mais tem dificuldade em aceitar a transição de seu pai. (Jay Duplass)

Alexandra “Ali” Pfefferman, é a filha mais jovem. Tem uma relação ótima com o irmão, Josh, e quase sempre estão ligados pela música. Ela é uma eterna desempregada e muito imatura para sua idade. (Gaby Hoffmann)

Shelly Pfefferman, ex-mulher de Mort/Maura e mãe de Sarah, Josh e Ali. Ela tem conhecimento do desejo de Mort/Maura em expressar sua feminilidade interior há anos. (Judith Light)

(FIM DOS SPOILERS)


Opinião sobre a série:

Durante os 10 episódios da primeira temporada Mort/Maura abraça sua nova jornada, porém ele descobre que nada sobre a sua vida como uma mulher será fácil – fazer novos amigos, confrotar os velhos conhecidos, encontrar uma nova comunidade, e acima de tudo, se assumir para seus filhos.

Em meio a tudo isso, seus filhos são constantemente confrontados com situações do passado que vão ressurgindo, em meio ao turbilhão de emoções que é lidar com a novidade na família. Cada um, à sua maneira, vai tentar buscar entender o que se passa com Mort/Maura, seja se aprofundando em estudos sobre gêneros. Seja tendo contato com outras pessoas da comunidade trans. Seja se aproximando e conhecendo melhor o novo Mort/velha Maura.

“Transparent” passeia por um gênero de séries televisivas que muito me agrada. Talvez pela cultura de novelas, muito forte aqui no Brasil, que acabou me acostumando ao estilo de drama familiar. Fato é que séries e filmes com essas temática, por vezes, já me ganham na sinopse e na escolha do elenco. Sabemos que o risco de séries desse tipo se tornarem um dramalhão mexicano é grande, mas a leveza com que “Transparente” trata todo o drama vivenciado pelos personagens, trazendo inclusive uma pitada de comédia, transforma a série em uma experiência maravilhosa, de descobertas de um novo mundo, não só para a famíla Pfefferman, mas principalmente pra quem assiste.


Mais informações:

A criadora da, Jill Soloway, revelou que criou o piloto inspirada por seu pai, que “saiu do armário” como transgênero cerca de 2 anos antes da estreia da série. Ela relatou que, durante o telefonema que recebeu do pai revelando o fato, ela só conseguia dizer o quanto o amava e o quanto ele era corajoso por fazer aquilo e no mesmo instante ela já pensava na possibilidade de transformar isso em série.

Soloway disse que ela espera usar a série para explorar o assunto da identidade de gênero através de um “pai ferido sendo substituído pelo desabrochar de uma feminilidade” e que ela imagina o Jeffrey Tambor como Maura ao escrever o personagem.

A série alcançou níveis quase unânimes de aprovação. No Rotten Tomatoes a primeira temporada possui uma aprovação de 98%, enquanto a segunda tem uma aprovação de 97%. Já no Metacritc os números são iguais para as duas temporadas: 91%.

No 72º Globo de Ouro, a série ganhou a estatueta de Melhor Série de Televisão – Comédia ou Musical, enquanto Jeffrey Tambor ganhou o prêmio na categoria de Melhor Ator em Série de Televisão – Comédia ou Musical. No Emmy Awards, Jeffrey Tambor também ganhou o prêmio de Melhor Ator em Série de Comédia.

Este foi a primeira série produzida pela Amazon Studios a ganhar um grande prêmio e a primeira produzida por um serviço de streaming a ganhar um Globo de Ouro de Melhor Série.

Transparent-e1421110699615-1940x1092

Elenco e produtores no Globo de Ouro

A primeira temporada foi disponibilizada para streaming e download no dia 06 de fevereiro de 2014. A segunda temporada em 11 de dezembro de 2015. E em seguida a série foi renovada para uma terceira temporada, que vai estrear em 23 de setembro de 2016. E a Amazon já renovou a série para uma quarta temporada, antes mesmo da estréia da terceira.

Um fato interessante e louvável é que Jill Soloway criou um “programa de ação afirmativa trans”, em que os transexuais têm direito de preferência ao serem contratados para trabalharem nos bastidores da série. Desde agosto de 2014, mais de 80 pessoas trans têm trabalhado no show, incluindo Zackary Drucker e Rhyhs Ernst, que são consultores transexuais e co-produtores. Em 2014, Our Lady J foi escolhida como a primeira pessoa abertamente transgênero a escrever para a série.

Veja também – trailer da segunda temporada de Transparent:

2ª temporada


 Transparent-segunda-temporada-tvspoileralert