Filme australiano escrito e dirigido por Jocelyn Moorhouse, baseado no romance de mesmo nome escrito por Rosalie Ham.

Myrtle ‘Tilly’ Dunnage (Kate Winslet) é uma elegante costureira que, apesar de ter conseguido reconhecimento pelo seu trabalho em Paris, resolve voltar para casa, um lugar esquecido no mundo, do qual ela não tem boas recordações. Quando pequena, foi acusada de causar um acidente, que teve como conseqüência o falecimento de um menino, e assim foi enviada para fora da cidade onde vivia. Mas anos se passaram e Tilly está de volta em busca de uma redenção, ou vingança, o que ocorrer primeiro.

Data de lançamento: 19 de maio de 2016 (1h 58min)
Direção: Jocelyn Moorhouse
Elenco: Kate Winslet, Judy Davis, Hugo Weaving e mais
Gêneros: Comédia , Drama
Nacionalidade: Austrália

Preciso começar dizendo que o elenco é um grande ponto de destaque do filme, que é brilhantemente estrelado por Kate Winslet no papel da costureira “femme fatale”, Myrtle Dunnage, que retorna para sua pequena cidade natal australiana para resolver seu passado mal resolvido e Winslet diverte e seduz em sua caricata atuação, sempre certeira, agitando os hábitos da cidade pequena com o que aprendeu vivendo fora dali e logo vira a estilista mais requisitada das damas do povoado.

Mas a genialidade do elenco não para por aí, o roteiro consegue aproveitar cada personagens, desde aqueles envolvidos na trama central até aqueles mais coadjuvantes que trazem mais vida ao longa e enriquecem a narrativa da protagonista sempre com ótimos diálogos.

Para ajustar as pontas soltas do seu passado, Winslet contará com a ajuda de Teddy (Liam Hemsworth), um simpático morador da esquisita cidade que ajudou a tomar conta da sua mãe enquanto ela esteve fora, do hilário sargento Farrat (Hugo Weaving, em excelente atuação) e de sua mãe, a complicada Molly Dunnage (Judy Davis, maravilhosa no papel). E por que não citar ainda as atuações de Sarah Snook e de Alison Whyte, que apesar de terem papeis ainda menores, estavam sempre à altura do elenco de peso.

“A Vingança Está na Moda”, visualmente falando, foi um dos melhores filmes que eu vi nos últimos tempos. Desde a fotografia, ambientação, até os figurinos maravilhosos, tudo cuidadosamente bem escolhidos. Um verdadeiro deleite visual que desfila a alta costura num cenário seco de faroeste por quase 2 horas de filme.

E mesmo sendo tão longo, o tom de fábula que o filme tem também conta pontos ao seu favor, deixando toda a produção mais leve e fácil de ser apreciada. Talvez pela características tão peculiares de cada personagens, que envolve o espectador a cada núcleo do enredo com histórias que sempre estão ligada à trama central, deixando claro que nada ali foi em vão.

Inclusive, uma das minhas cenas preferidas foi justamente aquela em que ‘Tilly’ Dunnage nos apresenta aos personagens jogando bolinhas de golfe do alto de uma colina para as casas dos respectivos. A outra preferida foi a chegada da personagem de Sacha Horler na cidade (a costureira que chega para competir com Tilly pela preferência das damas do vilarejo).

“A Vingança Está na Moda” é um filme divertido que intercala muito bem a comédia com o drama, aproveitando cada espaço do enredo para explicar detalhadamente as ações dos seus personagens, dando à narrativa tudo aquilo que se espera de uma dramédia de vingança. Muitas reviravoltas, muito drama e um final inesperado.


Cotação:

4-votos