Como vimos no começo do ano, o primeiro filme do “Deadpooltrilhou seu próprio caminho de forma brilhante: com um tom irreverente, zombando do ambiente clichê dos filmes de super-heróis, ganhando R-rating e fazendo tudo isso com um orçamento sofrido (para os padrões blockbusters). Em pouco tempo, Deadpool tornou-se o filme Rated R mais lucrativo da história do cinema e em sua própria cena pós-créditos confirmou sua sequência, em uma brilhante referência a “Curtindo A Vida Adoidado“.

No entanto, contrariando a máxima popular de que “em time que está ganhando não se mexe”Tim Miller, diretor do primeiro filme do Deadpool, recentemente revelou que não vai retornar para dirigir a continuação e comentou sua saída da produção de “Deadpool 2 desmentindo os boatos que diziam que ele queria fazer um filme grandioso. O diretor deixou a seguinte mensagem ao público: “não acreditem em tudo que leem na internet”.

Segundo o diretor, ele não queria triplicar o orçamento e nem fazer do filme um típico clichê, ele queria fazer o mesmo tipo de filme que foi feito antes porque ele acha que esse é o tipo certo de filme para o personagem. Havia planos de que ele retornasse e os fãs certamente estavam esperando por isso, mas Miller, no entanto, ainda não tinha contrato assinado com o estúdio para fazer a continuação e acabou desistido do projeto por “divergências criativas”.

Superado o drama, os estúdios contrataram David Leitch para assumir o posto vago e finalmente o filme poderá ganhar vida. Mas a perguntar que atualmente permeia a mente de muitos fãs é: o que será dessa sequência em comparação ao primeiro filme? (agora que temos um novo diretor e, portanto, uma nova visão do mundo do super-herói).

Geralmente, em Hollywood, os estúdios dobram o orçamento em sequências, disponibilizando mais recursos porque na maioria dos casos eles vão ganhar mais dinheiro do que com o original. Mas, como sabemos, ter um “grande orçamento” não é exatamente o que a produção de “Deadpool” precisa, ou o que os fãs esperam.

Em entrevista recente ao EW, o produtor Simon Kinberg, sabendo que a magia do filme não está nos dólares gastos, disse que o objetivo deles é tornar o filme provocativo e surpreendente, o que significa que ele não pode ser simplesmente uma continuação do primeiro. A produção tem um grande desafio pela frente, que é ter que resistir à tentação de tornar o segundo longa maior do que o filme do Tim Miller, mas segundo Kinberg, mesmo sabendo desse desafio, eles querem que o novo filme seja tão original e peculiar quanto o primeiro.

Considerando a ganância por grandiosidade, que sabemos que assola a mente dos investidores em Hollywood, acho que essa pode ser uma boa notícia, principalmente para os fãs que esperam que a sequência permaneça fiel aos princípios dos quadrinho, ou seja, que tenha o mesmo tom e o mesmo estilo bem humorado o que torna o personagem tão especial.

Com David Leitch na direção, Deadpool 2 começa a ser rodado no início de 2017 e o deve chegar aos cinemas em 2018.

Deadpool3Em tempo: conversando recentemente com a Entertainment Weekly, Ryan Reynolds revelou que quer juntar o Wolverine e o Deadpool, mais uma vez, nas telonas. Para isso ele vai precisar convencer o Hugh Jackman a reviver o personagem e, segundo o intérprte de Deadpool, ele vai fazer o possível para conseguir isso e se for o caso vai até apelar para a ajuda de seus amigos da internet para persuadir o ator. Acho que o Ryan Reynolds quer se redimir do fiasco que foi a participação do Deadpool no filme de Wolverine, “X-Men Origens: Wolverine. Fato é que ele terá um trabalho árduo pois Hugh Jackman já está pronto para desistir de Wolverine e fazê-lo repensar a desistência, anunciada ano passado, e ainda voltar a fazer esse pareamento não será uma façanha fácil.